Comportamento antissocial pode revelar lado sombrio da personalidade
lado sombrio da personalidade está largamente presente, parecendo ser forte entre pessoas perfeccionistas.
[Imagem: StarWars.com]

Sociabilidade e punição

A vida social envolve inúmeras situações em que as pessoas precisam confiar umas nas outras.

De assuntos familiares corriqueiros a complicadas negociações comerciais entre líderes mundiais, quase todas as situações exigem a confiança e a confiabilidade dos indivíduos envolvidos.

Mas como indivíduos com traços de personalidade antissocial se comportam nessas circunstâncias?

O professor Jan Engelmann, da Universidade de Amsterdã (Holanda), predispôs-se a responder a essa questão e descobriu que os indivíduos antissociais têm pouca confiança nos outros, a menos que tenham a chance de sancioná-los por traírem sua confiança.

E, se a chance de punição existe, eles punem duramente o comportamento não confiável.

Ao mesmo tempo, esses indivíduos se comportam de forma muito indigna de confiança e traem a confiança dos outros caso não temam ser sancionados.

Em outras palavras, os voluntários entrevistados pela equipe e caracterizados como portadores de comportamento antissocial apresentaram uma combinação específica de comportamentos e crenças que indica uma suposição de que os outros compartilham sua visão de mundo.

“Nossa abordagem baseada em dados funcionou surpreendentemente bem em identificar claramente traços de uma personalidade antissocial,” diz Engelmann. “O perfil de personalidade antissocial modulou de forma muito consistente o comportamento em cada estágio do ‘jogo de confiança’: 1. para decisões se e quanto confiar, 2. para decisões se e quanto retribuir a confiança de outro jogador e se comportar de forma confiável e 3. para decisões se e quanto punir o comportamento não confiável.”

Durante os jogos, os indivíduos com traços antissociais se adaptaram estrategicamente à ausência versus presença de sanções, e, ao fazê-lo, conseguiram ganhar significativamente mais do que os outros.

<

p style=”font-family:’Open Sans’, sans-serif;font-size:17px;color:#3d3d3d;background-color:#fafafa;”>Esses resultados, se confirmados por outros experimentos, sugerem que, para certas pessoas, a capacidade de atribuir estados mentais a outros (a chamada “teoria da mente” dos neurocientistas sociais) pode ser influenciada fortemente por sua própria personalidade.