Carnes: FAO estima que filé não será ‘produto de massa’ | Clipping | AviSite – O Portal da Avicultura na Internet *

Enquanto especialistas e indústrias esperam que a demanda por carne bovina continue crescendo no mundo, a Agência para Alimentos e Agricultura da Organização das Nações Unidas (FAO) estima que o produto vai desaparecer “como produto de massa” no futuro. As avaliações, contraditórias, foram expostas durante o Congresso Mundial da Carne, em Buenos Aires, cujo tema foi “Carne para um mundo sustentável”.
Para Henning Steinfeld, chefe do setor de análise e políticas para produção animal e divisão de saúde do Departamento de Agricultura da FAO, diante das exigências cada vez maiores para produção de carne de uma forma sustentável, o produto deixará de ser uma commodity num mundo com a população em crescimento. Questionado se a carne estaria se tornando o “novo caviar”, riu e disse que o produto será como o salmão no passado. Mas acrescentou que sua previsão é de longo prazo. “Com uma população de 9,1 bilhões em 2050, as pessoas terão de comer mais tilápia, mais carne suína”, disse.
Segundo a FAO, o consumo de carnes em geral deve dobrar em 2050, mas o avanço da carne bovino será pequeno. Steinfeld acredita que as restrições sobre países que produzem gado de forma extensiva, como Argentina e Brasil, vão crescer pela necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Na produção extensiva de gado, o nível de emissões supera o do manejo intensivo. “Países com grande população de ruminantes, têm mais emissões. Entre eles estão Brasil e Argentina, mas pode ser também Índia, Etiópia. A diferença é que esses últimos são menos produtivos”.
Para reduzir o impacto ambiental da pecuária bovina, os países produtores terão de investir em ganho de eficiência e em melhorias genéticas, defendeu o representante da FAO.
Num público de empresários da carne e produtores de gado, o discurso de Steinfeld não fez muito sucesso. Diferentemente do de Fernando Sampaio, coordenador de sustentabilidade da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec). Após uma apresentação didática sobre a história da pecuária no Brasil e seus avanços recentes, Sampaio foi aplaudido longamente.
Disse, por exemplo, que o Brasil pode dobrar a produção de gado com a mesma área de pastagem – 158 milhões de hectares. Para isso, algumas das medidas necessárias são investir na reforma das pastagens e no ganho de eficiência da atividade com o aumento de animais por hectare.
A respeito das afirmações de que a pecuária provoca a devastação das florestas, Sampaio disse que a área de mata no Brasil é expressiva em comparação a outros países. Na Europa, por exemplo, a devastação ocorreu no passado. O executivo também não poupou o Painel do Clima da ONU, que calculou as emissões do Brasil usando um modelo da Europa, onde a alimentação dos animais é diferente da fornecida aos bovinos produzidos em território brasileiro.

(Valor Econômico) (Alda do Amaral Rocha)
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s